06/06/2005 03:37 "Record" ACTUOU DURANTE OS ÚLTIMOS 20 MINUTOS DO TRIUNFO
Danças com Mantorras

Vítor Chi
Mantorras provoca delírio na Cidadela
Mantorras provoca delírio na Cidadela

Ovacionado no início do jogo, Pedro Mantorras manteve-se sereno até pouco depois do início da segunda metade. Nessa altura, após ter dado um autógrafo e posado para a fotografia ao lado de mais um admirador, o avançado do Benfica correu para a linha de fundo com Zé Kalanga e começou a fazer o aquecimento. Até que ao minuto 69, já Angola sofrera o golo de Boutabout, Pedro Mantorras foi chamado por Oliveira Gonçalves, fazendo levantar as bancadas, numa alegria que ninguém foi capaz de conter.

Apresentado como avançado do Benfica antes da sua entrada em campo, despe o colete a caminho do banco, fala por uns segundos com o seleccionador angolano, bebe água e vê o quarto árbitro, um senhor do Burundi, a levantar a placa que indica o número 16. É Flávio quem sai, estão decorridos 72 minutos. Mantorras caminha para o centro do terreno e diz qualquer coisa a Akwá antes de se posicionar ao lado do amigo. Um minuto mais tarde, o estádio quase vem abaixo com o drible estonteante do ponta-de-lança dos encarnados. Com dois toques deixa dois adversários para trás – e um dos centrais ainda estará a esta hora a pensar como alguém pode ser assim enganado.

Só por mais uma vez Mantorras bailou em campo, novamente descaído pela esquerda, com um verdadeiro nó cego capaz de conduzir a um sentimento de pena. O jogo caminhava para o fim, a Cidadela desejava ardentemente o último apito do árbitro proveniente do Burundi. Pedro Mantorras desdobra-se em entrevistas, monopolizando, pelo menos no início, o interesse da imprensa angolana. Depois de agradecer com toda a equipa, o jovem soube ser grato para com os vizinhos que, vindos do Bairro Sambizamga, o apoiaram neste regresso tão saudado à selecção.

«Até fiquei arrepiado»

Pedro Mantorras foi um dos mais aplaudidos num final de tarde que entra para a história, pelo menos para já. “Por momentos fiquei emocionado com este meu regresso à selecção. Ver o povo angolano a gritar o meu nome deixou-me arrepiado. Para mim é sempre um motivo de orgulho representar o meu país e graças a Deus conseguimos vencer”, garante o avançado do Benfica. Mantorras garante que não sentiu qualquer problema com o joelho. “Não. Senti-me sempre bem, sem qualquer dificuldade e, apesar dos dois golos marcados pela nossa equipa, acreditei sempre que o seleccionador me iria colocar em campo. Esta é a melhor resposta para todos aqueles que pensavam que nunca mais iria jogar na selecção. Mais do que nunca, quero agradecer a Rodolfo Moura por me ter acompanhado a Angola e por mostrar sempre total disponibilidade para me ajudar numa fase crítica da minha carreira.”

Autor: ANTONINO RIBEIRO.ANGOLA
Data: Segunda-Feira, 6 de Junho de 2005 03:37:00