06/06/2005 02:47 "Record" UMA ESTREIA INESQUECÍVEL
Alex: «Grato para sempre»

Carlos Patrão
Alex envergou pela primeira vez a camisola de Portugal
Alex envergou pela primeira vez a camisola de Portugal

Alex não vai esquecer o dia em que se estreou com a camisola da Selecção Nacional, ainda por cima no Estádio da Luz. “É sempre bom pisar aquele relvado, ainda por cima com a camisola da Selecção. Foi um sentimento que jamais esquecerei. Pude reviver a inauguração do estádio”, explica o defesa-direito.

Luiz Felipe Scolari merece uma palavra especial do jogador por esta súbita chamada à equipa portuguesa. Ainda por cima na condição de titular: “Não há nenhum segredo para esta chamada. Desenvolvi um trabalho sério durante a época, procurando atingir os objectivos do meu clube. A Selecção tem uma equipa técnica que, felizmente, olha para todos os jogadores da mesma forma. Estarei para sempre grato ao seleccionador, porque esta selecção é de todos os portugueses. Qualquer jogador pode cá chegar desde que desenvolva um bom trabalho”.

Alex ficou feliz por fazer parte da convocatória, mas confessa que não se tratava de um objectivo imediato: “Sempre fui muito realista e sabia que era muito difícil chegar aqui. Nunca pensei estar na Selecção nesta altura. Era para mim um objectivo, mas a médio prazo, não imediato. Fiquei surpreendido mas gostei muito de ter cá estado”.

«Jogar numa estreia é sempre complicado»

A alegria estava bem espelhada no rosto de Alex quando conversou com os jornalistas. Instado a partilhar os sentimentos vividos na véspera, em pleno Estádio da Luz, o jogador começou por falar dos minutos anteriores ao apito inicial de Pierluigi Collina: “São sensações quase indescritíveis. Pela primeira vez tive a oportunidade de cantar o hino nacional num estádio completamente cheio, e a lágrima quase caía”.

Quando começou o jogo, explica o lateral, “tudo mudou”, e a sua actuação até nem foi má, como observa: “Acho que a exibição foi positiva, mas jogar numa estreia é sempre complicado, ainda por cima num jogo destes. Os meus colegas fizeram com que me sentisse à vontade”.

No final, muitas felicitações: “Foram amigos, família e também os meus colegas”. E a reacção do seleccionador, como terá sido? “Falou com tudo o grupo e não pessoalmente”, mas os elogios de Scolari foram vem recebidos: “Estou orgulhoso e muito agradecido pelo que disse”.

Mais lateral do que médio

Alex está cada vez mais empenhado em prosseguir a sua carreira como defesa direito, em vez de médio. A experiência na Selecção foi mais um motivo, como explica: “Valorizo-me mais como central do que como médio, mas estou à disposição dos meus treinadores para as ideias que tiverem em relação a mim. O facto é que o meu rendimento como lateral tem sido superior”. Indesmentível é que a evolução tem sido grande: “Fui de um clube pequeno para o Benfica, sabendo que a margem de erro era mínima. No Guimarães evoluí e hoje estou um jogador mais maduro, pronto para desafios mais altos. Agora não posso pensar em parar de evoluir”. Uma última palavra para a relação com Figo no relvado: “Foi fantástico e jamais irei esquecer.”

 

Autor: MIGUEL PEDRO VIEIRA
Data: Segunda-Feira, 6 de Junho de 2005 02:47:00