03/07/2006 "A Bola" (online)
22,5 milhões nos cofres

A Federação Portuguesa de Futebol já garantiu, com o extraordinário desempenho da Selecção Nacional no Campeonato do Mundo, um encaixe financeiro de 14,5 milhões de euros. Só pela presença na competição a FIFA atribui a todas as federações uma soma 4,5 milhões, a que acrescenta mais dois caso a equipa passe a primeira fase da competição. A partir daí é sempre a somar. Dois milhões pela passagem aos quartos-de-final, mais seis pela chegada às meias. Tudo somado, contas feitas, lá estão os 14,5 milhões (quase três milhões de contos na moeda antiga). Soma apreciável, mas que nunca ficará por aqui. Mesmo que Portugal perca com a França, a Federação receberá mais oito milhões de euros. É esse o prémio pago às selecções que marquem presença no encontro de atribuição do terceiro e quarto lugares. Ou seja, mesmo que não veja a equipa chegar à final, a FPF garantirá, no total, 22,5 milhões de euros. Valor que aumentará e muito caso Portugal derrote os franceses. Se a Selecção chegar à final, e mesmo que perca, volta para casa com mais 15,2 milhões. Se ganhar, como todos esperamos, além de levantar a taça e inscrever o seu nome na restrita lista de Campeões do Mundo, o prémio será de 16,5 milhões. Tudo junto, e se tudo correr pelo melhor, a Federação Portuguesa de Futebol pode acabar o Mundial com mais de trinta milhões de euros nos seus cofres. É comum dizer-se que o dinheiro não é tudo e talvez num Campeonato do Mundo essa frase se aplique como nunca. O orgulho nacional será o que move todos os participantes na mais importante das competições, mas não se pode fechar os olhos a valores tão elevados. Para já, este Mundial está a ser bem proveitoso para a FPF. Esperemos que seja bem mais...